quarta-feira, 27 de abril de 2011

PROJETO HORA DO RECREIO

GOVERNO DO ESTADO DE RONDONIA
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
REPRESENTAÇÃO DE ENSINO/SEDUC
EEEF e MÉDIO 16 DE JUNHO




“A relevância de brinquedos e brincadeiras como indispensáveis para a criação da situação imaginária. Revela que o imaginário só se desenvolve quando se dispõe de experiências que se reorganizam. A riqueza dos contos, lendas e o acervo de brincadeiras constituirão o banco de dados de imagens culturais utilizados nas situações interativas. Dispor de tais imagens é fundamental para instrumentalizar a criança para a construção do conhecimento e sua socialização. Ao brincar a criança movimenta-se em busca de parceria e na exploração de objetos; comunica-se com seus pares; expressa-se através de múltiplas linguagens; descobre regras e toma decisões. Vygotski (1988)

COLORADO DO OESTE

2011

I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

ESCOLA: EEEF e Médio 16 de Junho

ENDEREÇO: Avenida Rio Madeira 4870

E-MAIL: eeef16dejunho@hotmail.com

Nº DE ALUNOS 347

TÍTULO: Lúdico na escola

LÍDERES DO PROJETO: Profª.: Erondina Viviane e Valdecira


PÚBLICO ALVO: Professores e alunos de 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e Médio

APRESENTAÇÃO

Em qualquer época da vida de crianças e adolescentes e porque não de adultos, as brincadeiras devem estar presentes. Brincar não é coisa apenas de crianças pequenas, erra a escola ao fragmentar sua ação, dividindo o mundo em lados opostos: de um lado o jogo da brincadeira, do sonho, da fantasia e do outro, o mundo sério do trabalho e do estudo. Independente do tipo de vida que se leve, todos adultos, jovens e crianças precisam da brincadeira e de alguma forma de jogo, sonho e fantasia para viver. As escolas precisam reconhecer lúdico, a sua importância enquanto fator de desenvolvimento da criança.


II JUSTIFICATIVA
Segundo Rousseau (1968), as crianças têm maneira de ver, sentir e pensar que lhe são próprias e só aprendem através da conquista ativa, ou seja, quando elas participam de um processo que corresponde à sua alegria natural.

Para Froebel , a educação mais eficiente é aquela que proporciona atividades, auto-expressão e participação social às crianças. Ele afirma que a escola deve considerar a criança como atividade criadora e despertar, mediante estímulos, as suas faculdades próprias para a criação produtiva. Sendo assim, o educador deve fazer do lúdico uma arte, um instrumento para promover a facilitar a educação da criança.

A melhor forma de conduzir a criança à atividade, à auto-expressão e à socialização seria através do método lúdico. Já Dewey (1952), pensador norte-americano, afirma que o jogo faz o ambiente natural da criança, ao passo que as referências abstratas e remotas não correspondem ao interesse da criança. Em suas palavras: somente no ambiente natural da criança é que ela poderá ter um desenvolvimento seguro.

Piaget (1973), mostra claramente em suas obras que os jogos não são apenas uma forma de desafogo ou entretenimento parta gastar energia das crianças, mas meios que contribuem enriquecem o desenvolvimento intelectual. Para Piaget (1973), os jogos e as atividades lúdicas tornara-se significativas à medida que a criança se desenvolve, com a livre manipulação de materiais variados, ela passa a reconstituir, reinventar as coisas, o que já exige uma adaptação mais completa. Essa adaptação só é possível, a partir do momento em que em que ela própria evolui internamente, transformando essas atividades lúdicas, que é o concreto da vida dela, em linguagem escrita que é o abstrato.


III OBJETIVOS
GERAL:

Contribuir para facilitar a aprendizagem; colaborando para uma boa saúde mental

ESPECÍFICOS:

- Desenvolve processos sociais de comunicação de expressão e construção do conhecimento;

-Explora a criatividade,;

-Melhorar a conduta e a auto-estima;

-Prmite extravasar angustias e paixões, alegrias e tristezas, agressividade e passividade.

METODOLOGIA

Através das atividades constantes no projeto autas-habilidades na escola 16 de Junho, realizar um monitoramento para descobrir quais são os alunos que tem habilidades para desenhar. Após esta fase procurar na internet, modelos de amarelinhas, iniciar as construções das amarelinhas na escola.

Após concluir esta fase, inicia-se as brincadeiras, sendo que no primeiro momento será livre, os alunos terão liberdade para explorar livremente a amarelinha no pátio.

Depois os professores envolvidos no projeto deverão explorar o lado pedagógico das amarelinhas. Exemplo regra do jogo, incentivando sempre a leitura e escrita dos alunos de forma lúdica.

AÇÕES

- Pintura de amarelinha na escola;

- Resgate de brincadeiras, como: amarelinha, ovo choco, gato e rato, e outras que fazem parte do nosso folclore.

RECURSOS

HUMANOS: Funcionários da escola e alunos.

MATERIAL: tintas


AVALIAÇÃO

Uma vez que o projeto esteja em andamento é importante verificar se os alunos incorporam uma nova postura/atitude nos dias sem o recreio monitorado

BIBLIOGRAFIA
KISHIMOTO, Tisuko Morchida. Jogos infantis: o jogo, a criança e a educação. Petrópolis: RJ:

Vozes, 1993.

KISHIMOTO, Tisuko Morchida. O jogo e a educação infantil. SP: pioneira, 1994.

PIAGET, J. Para onde vai a educação? Trad. Ivete Braga. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973. 89p.
ROUSSEAU, Jean J. Emílio Jogos da Educação. São Paulo: Defusão Européia do Livro, 1968.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Projeto cultural- central do Brasil

PROJETO PEDAGÓGICO TÍTULO DO FILME: CENTRAL DO BRASIL
PARCERIA TV ESCOLA E 5ºANO

Duração/Gênero: 112 min., drama

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

ESCOLA- EEEFM 16 de Junho

ENDEREÇO- Avenida Rio Madeira 4870

AUTOR DO PROJETO- Professoras: Claudélia Boecker e Valdecira Moreira

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

ESCOLA- EEEFM 16 de Junho

ENDEREÇO- Avenida Rio Madeira 4870

PUBLICO ALVO alunos do 5º ano B da escola EEEFM 16 de Junho

AREA DE CONHECIMENTO –Projeto interdisciplinar (Língua Portuguesa, Geografia, Ciências, História)


Objetivo:

Analisar criticamente a realidade social do Brasil para um melhor posicionamento em relação ao meio em que vive.

Conhecimento prévio:

Saber quais são as fragilidades do país nos âmbitos social, cultural e econômico.

Atividade motivacional:

Sugestão: utilizar o Atlas Geográfico no desenvolvimento do estudo e das atividades. Projetar um filme, na sala multimídia, que trate desse tema. Sugestão de filme: Central do Brasil, que mostra a realidade de áreas mais pobres do país. Após discutir cenas importantes do filme e qual a mensagem que passa à população, o aluno poderá pesquisar em revistas, jornais, internet, alguns temas surgidos nas discussões, em sala de aula, sobre o filme, e registrá-las no caderno.


Encaminhamento metodológico:

Promover discussão entre os alunos, apontando como as transformações no espaço geográfico têm lado positivo e negativo, e como isso pode afetar as relações entre as pessoas.Solicitar que seja elaborado um mural com fotos, artigos de jornais, reportagens, mapas, etc., que ilustrem as desigualdades sociais do país e o que foi estudado. O mural poderá ficar exposto em sala de aula ou na escola.



CONTEÚDO – GEOGRAFIA - PROCESSO MIGRATÓRIO

Fugindo dessas realidades pavorosas da cidade grande, a ex-professora Dora e o menino orfão de mãe percorrem o interior do Brasil, de ônibus, como caronas de um caminhoneiro ou na carroceria de um caminhão que transporta romeiros. Seguem país adentro, chegam a lugares improváveis na nossa imaginação (mas que estão lá, acreditem, para que possamos conhecê-los e ajudar a mudar sua condição de atraso), descobrem um país muito diferente daquele a que estavam acostumados na cidade grande, percebem a intensa religiosidade que reveste as comunidades pelas quais passam e vivenciam um pouco da pobreza que assola nosso sertão

LÍNGUA PORTUGUESA - A história de Dora (Fernanda Montenegro, em atuação excepcional), que escreve cartas na estação Central do Brasil para pessoas analfabetas já constitui um quadro ao qual devemos nos ater. Quantas e quantas pessoas nesse país-continente ainda não sabem ler ou escrever? Que consequências o drama do analfabetismo traz para nosso país? Dá para imaginar o que significa não ser capaz de ler uma placa, um cartaz, o letreiro de um ônibus ou um artigo de jornal? Será que algum dia conseguiremos deixar para trás essa tremenda maldade a que estão submetidos alguns milhões de brasileiros? O que podemos fazer para superar essa chaga que anualmente mata milhares de possibilidades para cada um desses analfabetos?

Central do Brasil" é um filme exemplar no que se refere a sua capacidade de nos emocionar e mobilizar perante situações críticas pelas quais passam milhares (ou milhões) de pessoas em vastas áreas de nosso país. Nos permite dissertar sobre o tema, comparar diferentes realidades, identificar paisagens, entender o sentimento religioso dessa população humilde e nos posicionar perante grandes problemas nacionais

ENSINO RELIGIOSO

Dora não é nenhuma santa, pelo contrário, é pecadora dessas que imaginamos poder arder no inferno. Ela cobra para escrever e enviar as cartas para pessoas que vivem a margem desse incrível mundo das letras mas nunca as envia. Se apropria de casos, intimidades e detalhes da vida dessa gente sem que eles se deêm conta disso e não permite que o que lhe foi comunicado chegue as pessoas as quais se destinavam verdadeiramente essas notícias. Ironicamente ela passa a ser portadora de uma nova mensagem, em carne e osso, que responde pelo nome de Josué, sem que nem ao menos estivesse interessada nisso.


HISTÓRIA

Como não queria perder tempo com o menino, chega a oferecê-lo a um traficante de orgãos e vende-o sem grandes problemas para sua consciência. Chegamos a outro ponto importante do filme, nesse momento percebemos a perniciosidade do capitalismo num país atrasado como o nosso. Vender crianças, orgãos, negociar seres humanos em troca de dólares no lucrativo e ilícito mercado negro (movimentado por verdadeiras máfias ao redor do globo) constitui o ponto mais baixo de qualquer existência.



.
Site da Unesco para pesquisa sobre desigualdade social no Brasil:

http://www.unesco.org/pt/brasilia/

Sugestão de textos on-line para pesquisa e comparações:

http://www.alunosonline.com.br/barra/index.htm?url=http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u112798.shtml

http://www.alunosonline.com.br/barra/index.htm?url=http://www.brasilescola.com/sociologia/classes-sociais.htm

Avaliação:

Responda:

1) De acordo com o que foi estudado, o que gera a desigualdade no país?

2) Qual o estopim dessa desigualdade?

3) Por que os governantes não conseguem acabar ou, ao menos, minimizar tal desigualdade?

4) Em termos de mundo, a situação vivida pelo nosso país o prejudica economicamente?



BIBLIOGRAFIA

http://www.editorapositivo.com.br/editora-positivo/professores-e-coordenadores/para-sala-de-aula/planos-de-aula/leitura.html?newsID=3443203704304aa9b0d42268152370fa

Sugestões de filmes com objetivos pedagógicos

Central do Brasil

TÍTULO DO FILME: CENTRAL DO BRASIL (Brasil-1998)DIREÇÃO: Walter Salles

ELENCO: Fernanda de Oliveira, Vinícius de Oliveira, Marília Pêra, Othon Bastos, Matheus Nachtergaele, Soia Lira, Otávio Augusto, Caio Junqueira e Stella Freitas.

RESUMO

O filme retrata a vida de Dora e Josué. Ela, uma professora aposentada que ganha a vida escrevendo cartas para analfabetos, na maior estação de trens do Rio de Janeiro, (Central do Brasil). Ele, um garoto pobre, que com oito anos de idade perde sua mãe no Rio de Janeiro e sonha com uma viagem ao Nordeste para conhecer o pai.

Dora conhece Josué, que após a perda da mãe fica perdido e entregue às várias formas de violência urbana, típicas de uma cidade grande num país subdesenvolvido. Após um grave acidente, onde Josué quase foi vitima de uma tentativa de tráfico para o exterior, Dora rendeu-se ao apelo do menino e o acompanhou em busca de seu pai e irmãos numa longa viagem para o sertão da Bahia e de Pernambuco

CONTEXTO HISTÓRICO O filme mostra a realidade do Brasil no final do século XX, caracterizando principalmente as condições de vida no subúrbio de uma cidade grande em um país subdesenvolvido.

A massa de migrantes nordestinos, que desde o início do século abandona o sertão em busca de melhores oportunidades na cidade, aumentou o contingente de miseráveis nos centros urbanos, que os trata como descartáveis, entregando-os ao tráfico e assalto, como alternativa para sobrevivência.

O crescimento econômico dos últimos 20 anos não repercutiu igualmente nas diversas classes sociais, sendo que as conseqüências negativas desse processo, atingiram duramente grande parte da população, geralmente a mais pobre e mais sofrida.

A crescente concentração de riqueza, o salário mínimo vergonhoso, o desemprego, o aumento da pobreza e da miséria, a falta de saneamento básico e de assistência à saúde, fazem parte das situações trágicas vividas na carne pela população mais pobre, com a qual nos deparamos em nosso cotidiano



Você pode baixar o vídeo no yutub

http://www.youtube.com/watch?v=pd_IWrvIaXc ou em

em http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=271

terça-feira, 19 de abril de 2011

PROJETO PÁSCOA É VIDA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA
SEDUC- SECRETARIA DO ESTADO DA EDUCAÇÃO
E.E.E.F .M 16 DE JUNHO


                                                   PROJETO PÁSCOA É VIDA




                                 A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois       morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas



                                                        COLORADO 2011



DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
ESCOLA- EEEFM 16 de Junho
ENDEREÇO- Avenida Rio Madeira 4870 email-eeef16dejunho@gmail.com

Blog http://escola16dejunhocolorado.blogspot.com/

AUTOR DO PROJETO- Coordenadora da TV escola- Valdecira Aparecida da Silva Moreira

EXECUTORES DO PROJETO- Professores do 1º ao 5º ano da escola 16 de Junho e coordenadora da TV escola.

PUBLICO ALVO 176 alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental da EEEFM 16 de Junho
AREA DE CONHECIMENTO –Educação Religiosa

JUSTIFICATIVA

A páscoa ultimamente tem se tornado símbolo de consumismo, pensando em trabalhar o verdadeiro significado da páscoa, a coordenação da TV escola e professores do 1º ao 5º ano, optaram por trabalhar com o tema o verdadeiro significado da páscoa. Valorizando assim o lado cristão da páscoa.

OBJETIVO GERAL

Contribuir para que os alunos possam ampliar os conhecimentos acerca do significado da “Páscoa”.

Objetivos específicos:

-Conhecer o significado de “Páscoa”;

-Destacar os símbolos da Páscoa e o conceito de cada um;

- Vivenciar, valorizar e respeitar o verdadeiro sentido da Páscoa em sua vida;

METODOLOGIA

Providenciar pequenos vídeos sobre o significado da páscoa , montar slaid sobre os símbolos da páscoa . De posse desse material, organizar cronograma de trabalho junto aos professores envolvidos no projeto. Após exibição do filme significado da páscoa, exibir o slaid , símbolos da páscoa, conversar com os alunos sobre o tema e em sala de aula o professor deverá dar continuidade aos trabalhos.

CRONOGRAMA

Segunda feira 18/04/2011
7:00 as 7:15 3º ano C – professora – Silvia
7:15 as 7:30 3º ano B – professora – Sandra
7:30 as 7:45 3º ano A – professora – Angela
7:45 as 8:00 2º ano A – professora – Iara
8:00 as 7:15 5º ano A – professora – Rosilene
15:20 as 15:35 1º ano B professora Maria Rita
15:35 as 15:50 2º ano B professora Vilma
Terça feira 19/04/2011
7:00 as 7:15 1º ano A professora Cicera
7:30 as 7:45 4º ano A – professora Gessi
7:45 as 8:00 4º ano B – professora Diva
15:20 as 15:35 5º ano B professora Claudélia


AVALIAÇÃO

Através do interesse e participação dos alunos
Referências bibliográficas

Author: Aline Pires. at:06:09 Category : projeto páscoa, Projetos para edu.inf.
http://cantinhodassugestoes.blogspot.com/2009/04/projeto-pascoa.html


RELATÓRIO

Nos dias 18 e 19 de abril de 2011, 176 alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental da EEEFM 16 de Junho, participaram do projeto páscoa é vida , seguindo o cronograma :

CRONOGRAMA

Segunda feira 18/04/2011

7:00 as 7:15 3º ano C – professora – Silvia 17 alunos

7:15 as 7:30 3º ano B – professora – Sandra 14 alunos

7:30 as 7:45 3º ano A – professora – Angela- 17 alunos
7:45 as 8:00 2º ano A – professora – Iara -23 alunos

8:00 as 7:15 5º ano A – professora – Rosilene- 17 alunos
15:20 as 15:35 1º ano B professora Maria Rita- 19 alunos

15:35 as 15:50 2º ano B professora Vilma -14 alunos



Terça feira 19/04/2011

7:00 as 7:15 1º ano A professora Cicera -16 alunos

7:30 as 7:45 4º ano A – professora Gessi – 14 alunos

7:45 as 8:00 4º ano B – professora Diva- 13 alunos
15:20 as 15:35 5º ano B professora Claudélia -12 alunos
Após exibição do vídeo, realizou se roda de conversa sobre o tema, induzindo os alunos a uma reflexão sobre o tema. Em sala de aula os professores deram continuidade com os trabalhos envolvendo desenho, ilustração e produção de texto.


CÂNTICO JESUS RESSUSCITOU ALELUIA- UTILIZADO NA PALESTRA SOBRE O VERDADEIRO SENTIDO DA  PÁSCOA, PELA IRMÃ DA IGREJA CATÓLICA
PAINEL ENCERRAMENTO DA PÁSCOA

                                                PAINEL  DE ENTRADA NO PROJETO PÁSCOA

quinta-feira, 14 de abril de 2011

COMO AJUDAR NA ROTINA ESCOLAR

COMO AJUDAR NA ROTINA ESCOLAR - Dicas para Pais.

Tags: http://www.via6.com/topico/15785/como-ajudar-na-rotina-escolar-dicas-para-pais-

COMO AJUDAR NA ROTINA ESCOLAR (revista VEJA)

O QUE O PROFESSOR HARRIS COOPER SUGERE PARA QUE OS PAIS PARTICIPEM DAS TAREFAS ESCOLARES:

• Garantir que não faltem em casa livros, um bom dicionário e espaço tranqüilo para realizar o dever.

• Mostrar-se entusiasmados em relação às tarefas dos filhos. Segundo pesquisas, isso ajuda a fazê-los encarar o dever como uma atividade prazerosa.

• Fazer a criança perceber que suas tarefas têm aplicação na vida prática. Por exemplo: ao consultar seu saldo bancário, mostrar como se usa a matemática para conferir a conta.


• Ao ter a ajuda requisitada, apenas dar sugestões de como resolver a questão. Está provado que essa é uma estratégia mais eficiente do que revelar a resposta.

• Se a criança demonstrar sinais de exaustão, sugerir um intervalo para o descanso antes da conclusão

O QUE AS ESCOLAS FALAM SOBRE O DEVER DE CASA COMO ELAS ACHAM QUE OS PAIS PODEM AUXILIAR NAS TAREFAS ESCOLARES

Primeiro, os pais devem estimular os filhos a ter uma rotina de estudos em casa. Outra medida de efeito positivo é que demonstrem interesse pelas tarefas. Em relação à ajuda na realização dos deveres, o consenso é que os pais desempenhem o papel de orientadores. Ao serem solicitados, eles devem indicar livros e sites para pesquisa. Também podem fornecer pistas sobre a resolução de um problema. “Dar a resposta certa, jamais”, dizem os educadores ouvidos por VEJA.

MÚSICA PARA ALFABETIZAR



video

VIDEO DISPONIVEL http://www.youtube.com/watch?v=o3tmMVzw1g0

domingo, 3 de abril de 2011

OS TRÊS PORQUINHOS - EM LIBRAS.-



ESTAVA PROCURANDO ATIVIDADES EM LIBRAS E ENCONTREI EM http://picasaweb.google.com/fernanda.kolb/OSTRESPORQUINHOSEMLIBRAS  TEM VARIAS ATIVIDADES  MUITO LEGAIS, VALE APENA CONFERIR.




POESIAS INFANTIS

POESIAS


Onde vais, elefantinho

Correndo pelo caminho

Assim tão desconsolado?

Andas perdido, bichinho

Espetaste o pé no espinho

Que sentes, pobre coitado?


— Estou com um medo danado

Encontrei um passarinho!



Vinicios de Moraes




A porta -VINICIUS DE MORAIS
Eu sou feita de madeira

Madeira, matéria morta

Mas não há coisa no mundo

Mais viva do que uma porta.



Eu abro devagarinho

Pra passar o menininho

Eu abro bem com cuidado

Pra passar o namorado

Eu abro bem prazenteira

Pra passar a cozinheira

Eu abro de supetão

Pra passar o capitão.



Só não abro pra essa gente

Que diz (a mim bem me importa...)

Que se uma pessoa é burra

É burra como uma porta.



Eu sou muito inteligente!

Eu fecho a frente da casa

Fecho a frente do quartel

Fecho tudo nesse mundo

Só vivo aberta no céu!





As borboletas- VINICIUS DE MORAES
Brancas

Azuis

Amarelas

E pretas

Brincam

Na luz

As belas

Borboletas.

Borboletas brancas

São alegres e francas.

Borboletas azuis

Gostam muito de luz.



As amarelinhas

São tão bonitinhas!

E as pretas, então...

Oh, que escuridão!





pato
Lá vem o Pato

Pata aqui, pata acolá

Lá vem o Pato

Para ver o que é que há.

O Pato pateta

Pintou o caneco

Surrou a galinha

Bateu no marreco

Pulou do poleiro

No pé do cavalo

Levou um coice

Criou um galo

Comeu um pedaço

De jenipapo

Ficou engasgado

Com dor no papo

Caiu no poço

Quebrou a tigela

Tantas fez o moço

Que foi pra panela.

MÚSICAS INFANTIS

A Barata Diz Que Tem

Temas Infantis

A Barata diz que tem sete saias de filó

É mentira da barata, ela tem é uma só

Ah ra ra, iá ro ró, ela tem é uma só !

A Barata diz que tem um sapato de veludo

É mentira da barata, o pé dela é peludo

Ah ra ra, Iu ru ru, o pé dela é peludo !

A Barata diz que tem um sapato de fivela

É mentira da barata, o sapato é da mãe dela

ah rá rá, oh ró ró, o sapato é da mãe dela

A Barata diz que tem uma cama de marfim

É mentira da barata, ela tem é de capim

Ah ra ra, rim rim rim, ela tem é de capim

A Barata diz que tem um anel de formatura

É mentira da barata, ela tem é casca dura

Ah ra ra , iu ru ru, ela tem é casca dura

A Barata diz que tem o cabelo cacheado

É mentira da barata, ela tem coco raspado

Ah ra ra, ia ro ró, ela tem coco raspado



A Carrocinha

Temas Infantis

Bis :

A carrocinha pegou

Três cachorros de uma vez.

Bis :

Tra lá lá

Que gente é esta,

Tra lá lá

Que gente má !



A Casa

Temas Infantis

Era uma casa muito engraçada

Não tinha teto não tinha nada

Ninguém podia entrar nela não

Porque na casa não tinha chão

Ninguém podia dormir na rede

Porque na casa não tinha parede

Ninguém podia fazer pipi

Porque pinico não tinha ali

Mas era feita com muito esmero

Na rua dos bobos número zero.



Eu Era Assim

Temas Infantis

Quando eu era nenê, nenê, nenezinho,

Eu era assim... Eu era assim. Quando eu era menina, menina, menina,

Eu era assim... Eu era assim...

Quando eu era mocinha, mocinha, mocinha,

Eu era assim... Eu era assim...

Quando eu era casada, casada, casada

Eu era assim... Eu era assim...

Quando eu era mamãe, mamãe, mamãe

Eu era assim... Eu era assim...

Quando eu era vovó, vovó, vovó,

Eu era assim... Eu era assim...

Quando eu era caduca, caduca, caduca,

Eu era assim... Eu era assim...

Quando eu era caveira, caveira, caveira

Eu era assim... Eu era assim...





A linda rosa juvenil

Temas Infantis

A linda rosa juvenil, juvenil, juvenil

A linda rosa juvenil, juvenil

Vivia alegre em seu lar, em seu lar, em seu lar

Vivia alegre em seu lar, em seu lar

E um dia veio uma bruxa má, muito má, muito má

Um dia veio uma bruxa má, muito má

Que adormeceu a rosa assim, bem assim, bem assim

que adormeceu a rosa assim, bem assim

E o tempo passou a correr, a correr, a correr

E o tempo passou a correr, a correr

E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor

E o mato cresceu ao redor, ao redor

E um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei

E um dia veio um belo rei, belo rei

Que despertou a rosa assim, bem assim, bem assim

que despertou a rosa assim, bem assim

Batemos palmas para o rei, para o rei, para o rei

batemos palmas para o rei, para o rei





Eu Sou Pobre, Pobre

Temas Infantis

Eu sou pobre, pobre, pobre,

De marré, marré, marré.

Eu sou pobre, pobre, pobre,

De marré deci.

Eu sou rica, rica, rica,

De marré, marré, marré.

Eu sou rica, rica, rica,

De marré deci.

Eu queria uma de vossas filhas,

De marré, marré, marré.

Eu queria uma de vossas filhas,

De marré deci.

Escolhei a qual quiser,

De marré, marré, marré.

Escolhei a qual quiser,

De marré deci.

Eu queria (nome da pessoa),

De marré, marré, marré,

Eu queria (nome da pessoa),

De marré deci.

Que ofício dais a ela ?

De marré, marré, marré.

Que ofício dais a ela ?

De marré deci.

Dou o ofício de (nome do ofício)

De marré, marré, marré.

Dou o ofício de (nome do ofício),

De marré deci.

Este ofício me agrada (ou não)

De marré, marré, marré.

Este ofício me agrada (ou não)

De marré deci.

Lá se foi a (nome da pessoa),

De marré, marré, marré.

Lá se foi a (nome da pessoa),

De marré deci.

Pra terminar :

Eu de pobre fiquei rica.

De marré, marré, marré.

Eu de rica fiquei pobre,

De marré deci.






Meu Lanchinho

Temas Infantis

Meu sininho, meu sininho,

Meu sinão, meu sinão,

Bate de mansinho,

Bate de mansainho:

Dim, dim, dom.

Dim, dim, dom.

Está chovendo! Está chovendo!

O que fazer? O que fazer?

Abre o guarda-chuva,

Abro o guarda-chuva

Pra se esconder,

Pra se esconder.

Motorista, motorista,

Olha o poste! Olha o poste!

Não é de borracha!

Não é de borracha!

Vai bater! Vai bater!

Meu lanchinho, meu lanchinho

Vou comer, vou comer

Prá ficar fortinho,

Prá ficar fortinho

E crescer! E crescer!



A Galinha do Vizinho

Temas Infantis

A galinha do vizinho

Bota ovo amarelinho.

Bota um, bota dois, bota três,

Bota quatro, bota cinco, bota seis,

Bota sete, bota oito, bota nove,

Bota dez!



Indiozinho

Temas Infantis

Um , dois, três indiozinhos

quatro , cinco, seis indiozinhos

sete , oito, nove indiozinhos

dez num pequeno bote

Iam navegando pelo rio abaixo

Quando o jacaré se aproximou

E o pequeno bote dos indiozinhos

quase, quase virou

quase, quase virou

MAIS NÃO VIROU!









Pai Francisco entrou na roda

Tocando seu violão

Balalan ban ban ban ban balalan ban ban

Vem de lá seu delegado

E Pai Francisco foi pra prisão

Como ele vem todo requebrado

Parece um boneco desengonçado.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...